A alienação

A alienação

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Os jornais brasileiros estão colocando o PSB como o partido que mais cresceu na última eleição. Esse partido é conhecido apenas pela "sigla", acredito que poucos saibam o que significa esta sigla. A sigla significa "Partido Socialista Brasileiro"... então podemos perguntar: O Brasil caminha para ser um país socialista ?



Notícia na Folha de S.Paulo

30/10/2012 - 05h00
Sigla será terceira via, diz novo prefeito de Campinas
MARÍLIA ROCHA
DE CAMPINAS

Eleito prefeito de Campinas (SP) em uma disputa municipal que tomou contornos nacionais, Jonas Donizette (PSB) aposta que seu partido pode se tornar uma "terceira via" na política, reduzindo a polarização entre PT e PSDB.

O PSB foi o partido que mais cresceu em número de municípios administrados desde a última eleição, e o presidente nacional da legenda, o governador Eduardo Campos (PE), passou duas vezes por Campinas para fazer campanha para o aliado.

........


Comentário:

O prefeito se refere "a sigla"...
Ele não diz o real nome do partido dele - Partido Socialista Brasileiro.
Nem mesmo na página inicial do site oficial do partido o nome completo aparece, apenas a sigla "PSB40" foi colocada.
Será que os socialistas desse partido estão querendo se esconder atrás da sigla ?

Será que os eleitores que votaram no PSB sabiam que estavam votando em um partido socialista ?
E pedindo muito mais, será que os eleitores que votaram no PSB sabem o que defende a ideologia socialista ?
- Acho que não sabem ... votaram na sigla mas não fazem a menor idéia de que estavam votando em uma ideologia que no século XX levou dezenas de nações a ditadura e a falência, e mesmo atualmente, levou a Grécia, a Espanha e Portugal a inadimplência.

Os brasileiros estão votando maciçamente em socialistas sem terem conhecimento disso...

Mas, acho que não devemos nos preocupar ... sigla de partido brasileiro não tem a menor importância, a imensa maioria dos políticos brasileiros, seja lá em qual partido estejam filiados, sempre agem da mesma forma regionalista e corporativa.

***


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

O "manuscritos econômico filosóficos" atribuídos a Karl Marx não foram escritos por ele, o livro foi escrito na União Soviética em 1932 por "intelectuais" marxistas soviéticos e de outras nacionalidades que fizeram "interpretações" supostamente baseadas em anotações de Marx



Um membro da comunidade do ORKUT "Marx é inquestionável?!" colocou a seguinte questão em um tópico:

"Segundo Marx, no manuscrito econômico e filosófico de 1844 "propriedade privada e comunismo", para se chegar ao "comunismo supremo" deve se passar por uma revolução violenta, um comunismo grosseiro, um massacre para destruir a ganância do ser humano, inclusive chegou a propor até o coletivização das mulheres....
Alguém em sã consciência acredita que isto um dia daria certo??
Para quem quiser ler o manuscrito:"
http://www.marxists.org/portugues/marx/1844/manuscritos/cap04.htm

A minha resposta, separada em duas pates, foi a seguinte:

Sobre este trecho:

"Segundo Marx,no manuscrito econômico e filosófico de 1844 "propriedade privada e comunismo", ..."

Temos que fazer uma importante observação quanto a isso.
Se no link do "marcist org" retornarmos a página inicial para o anos de "1844" vamos ler o seguinte:

Manuscritos Econômico-Filosóficos
Karl Marx
Agosto de 1844
Escrito: entre abril e agosto de 1844 
Primeira Edição: 1932
http://www.marxists.org/portugues/marx/1844/manuscritos/index.htm

Vemos ai que Marx não editou em vida os tais "manuscritos"...
Tais "manuscritos" foram publicados em 1932 na União Soviética, quem na verdade "escreveu" esse texto foram os "intelectuais" comunistas soviéticos, supostamente a partir de rascunhos feitos por Marx em 1844, mas, como o texto é bem organizado, é certo que ele foi "editado" pelos comunistas soviéticos.

Como os comunistas soviéticos eram seguidores de Lenin, que tinha a mentira e a manipulação como principal ferramenta, acredito que nos tais "manuscritos" muita coisa dele Marx jamais tenha escrito, ou, a partir de uma pequena anotação de Marx os comunistas soviéticos deram toda uma "interpretação" que não corresponde ao original.

Todos os escritores fazem anotações manuscritas quando pretendem escrever um livro, depois, analisam todas e formam a idéia que pretendem colocar no livro, que é um texto diferente das anotações, com Marx também foi assim, os rascunhos não eram para serem editados, Marx os usou para escrever o livro "Ideologia Alemã", que foi escrito por ele no ano seguinte, 1845, é nesse livro que Marx colocou as idéias que achou corretas de suas anotações feitas em 1844, o resto ele desconsiderou.
Se quisermos saber o que Marx realmente tinha a dizer em 1844 temos que ler a "Ideologia Alemã" de 1845 [ver nota no final], e não os "manuscritos", nos "manuscritos" está escrito o que os "intelectuais" comunistas soviéticos pensavam em 1932.
Também devemos ler o "Manifesto Comunista" e a "Mensagem da Diretoria a Liga dos Comunistas" escritos por Marx em 1848 que é onde estão - declaradas com toda clareza - as premissas revolucionárias de Marx.

Continuando com o restante do texto:

"para se chegar ao "comunismo supremo" deve se passar por uma revolução violenta, um comunismo grosseiro, um massacre para destruir a ganancia do ser umano, inclusive chegou a propor até o coletivização das mulheres....
Alguém em sã consciência acredita que isto um dia daria certo??"

Isso tudo que Marx disse que tinha que ser feito - foi feito !
E claro, não deu certo.
Tudo que Marx disse que tinha que ser feito, a revolução, as traições, os golpes contra os democratas, os massacres, as matanças, e tudo o mais foi executado pelos marxistas que tomaram o poder em 50 nações do mundo no século XX.

Na União Soviética, na China comunista, no Camboja, na Coréia do Norte, na Ucrânia, no Vietnã, em Cuba, e em mais dezenas de países os marxistas executaram na prática as ordens de Marx e foram massacrados e assassinados milhões de pessoas.
Nos Gulags da URSS, na "revolução cultural" de Mao na China e na "volta ao campo" de Pol Pot no Camboja as idéias de Marx foram postas em prática e milhões de pessoas foram mortas.

E não deu em nada, foi um colossal fracasso.
O comunismo jamais chegou e jamais chegará, pois o ser humano acima de tudo prioriza os seus instintos sexual e de sobrevivência individuais.
E mesmo que o comunismo pudesse existir seria um atrazo pois, segundo a teoria, o ser humano teria que regredir as suas origens, 10 mil anos de civilização em busca de progresso cultural e de um melhor padrão de vida seriam perdidos.

Sobre o texto do link:
http://www.marxists.org/portugues/marx/1844/manuscritos/cap04.htm

Quem já leu Marx consegue perceber que não se trata de um texto escrito pór Marx...
O texto não tem a "alma" de Marx, é um texto simples, Marx dominava a técnica de motivar o leitor com frases típicas dele, Marx tinha um estilo inconfundível que não se vê no "manuscritos" soviético.


Nota. Muita gente, inclusive a wikipédia, ou por ignorância ou por má fé, confundem o termo "manuscrito" usado por Marx no Prefácio do seu "Para a Crítica de Economia Política" que se refere ao manuscrito do seu livro "Ideologia Alemã", que foi recusado pelos editores, com os tais "manuscritos" econômicos e filosóficos lançados na União Soviética em 1932.
Ver o prefácio em:
http://www.marxists.org/portugues/marx/1859/01/prefacio.htm

***

domingo, 28 de outubro de 2012

Atualmente no Brasil existem milhares, talvez milhões, de ladrões praticando furtos, o mais em evidência é o furto dos fios elétricos das instalações elétricas em residências, é o já popular "roubo de fios".


No interior do Estado de São Paulo a já algum tempo ladrões maximizaram a atividade de roubar fios das instalações elétricas residenciais.
A casa pode tanto estar em construção como com gente morando, roubam ambas
E roubam também a fiação da própria empresa concessionária, é muito comum a morte desses ladrões eletrocutados.
O roubo pode ser apenas da fiação do poste padrão da CPFL, que facilitou muito o roubo, onde está o medidor de consumo de energia elétrica residencial, que não passa de 3 metros de fio, como podem subir no telhado, tirar as telhas, entrar dentro do telhado e cortar toda a fiação que existe em cima da lajota, deixam apenas a fiação que está dentro do embutido...
Em ambos os casos o produto do roubo em dinheiro é irrisório, não passa de alguns reais que são pagos pelo receptador dos fios furtados.


Estes são os chamados "poste padrão" que são exigidos pela CPFL para fazer a instalação residencial, o formato adotado facilitou muito o acesso de ladrões.

Isso virou rotina, existem pessoas que durante a construção da casa tem a fiação do postinho roubada 3 ou 4 vezes !
O dinheiro obtido pelos ladrões com o furto é irrisório, mas, as despesas e trabalho que o dono terá para regularizar são grandes.
Como roubam até mesmo com a linha energizada uma das soluções encontradas pelos proprietários das casas é enrolar arame farpado desde o muro até o topo do postinho !
Não sei se alguém lembra das trincheiras nos filmes de guerra da primeira metade do século XX com rolos de arame farpado para dificultar a passagem.
É um verdadeiro caos, o interior do Estado de São Paulo, e provavelmente de todo o Brasil, virou uma terra de ninguém como eram chamadas as trincheiras avançadas nas guerras.
No interior de São Paulo as pessoas de bem, trabalhadoras, que conseguiram com trabalho próprio construir uma casa para morar estão precisando apelar para isso para não serem roubados.

Alguém pode perguntar, e a polícia ?
- A polícia está de mãos amarradas.
Tais roubos em sua maioria são praticados por viciados em drogas, o pequeno "lucro" que eles obtém com o furto eles compram drogas.
E como drogado é algo intocável no Brasil, a polícia não pode tocar a mão em nenhum deles pois se a polícia fizer alguma coisa contra drogado ela será escrachada pelos "direitos humanos" e ongueiros defensores de bandidos que existem aos milhares no Brasil.
Para os "direitos humanos" os viciados são "vítimas da sociedade capitalista" e devem ser protegidos.
Para os "direitos humanos" a sociedade é que é a culpada, e não os viciados.... por que existem humanos, que são ou foram pobres, mas que não são viciados nem ladrões - nesta mesma sociedade - e são pessoas trabalhadores e de bem .... a ralé dos "direitos humanos" não toca no assunto.


Vamos demonstrar a safadeza dos "direitos humanos".
Eles dizem que é a sociedade que é a culpada por existirem drogados, ou seja, os drogados são "vitimas da sociedade" e não tem vontade própria suficiente para optar, ao mesmo tempo, os "direitos humanos" NÃO DEIXAM a sociedade tratar dos drogados, a "lei" inventada pelos "direitos humanos" é que os drogados devem decidir por conta própria serem tratados!
Isto é uma enorme e safada contradição.
Se os drogados não tem capacidade racional para não serem drogados, são "vitimas da sociedade", como eles vão ter capacidade para decidir serem tratados ou não ?
- Não vão ter, e os "direitos humanos" sabem disso, pois é algo óbvio!
Os "direitos humanos" tem como princípio fundamental a ideologia cega marxista "cultural" que quer destruir a sociedade ocidental, então, quanto mais bandidos soltos causando o caos na sociedade ... melhor!




Este é um ladrão de fios típico sendo preso, uma ação inútil, pois ele será solto em pouco tempo.

Desta forma viciados são intocáveis, nem são parados e nem recebem tratamento, só podem receber tratamento se eles próprios consentirem!
Mas, como alguém que tem a mente dominada pela volúpia da droga e já não consegue mais pensar racionalmente vai poder decidir isso ?
A ação dos "direitos humanos" MANTÉM o caos dentro da sociedade ... que é EXATAMENTE o que eles querem.
A ralé dos "direitos humanos" não quer o bem dos drogados, se quisesse permitiria que fossem tratados pela sociedade, não permitem, fazem isso porque querem mesmo é provocar o maior caos possível e tornar a vida dos "burgueses" o mais difícil possível.
Nada mais que a ideologia cega do marxismo cultural que visa unicamente a destruição da sociedade democrática ocidental que não adotou a ideologia marxista e que, segundo a loucura marxista, deve ser penalizada por isso.
E o pior é que estão tendo sucesso nisso...

Evidentemente os furtos não se restringem aos fios, roubam tudo que for possível ser roubado, assaltos a mão armada contra pessoas chegando em casa depois do trabalho estão se tornando rotina, assaltos acontecem todos os dias em bairros de classe média nas cidades do interior de São Paulo.
O caos foi instaurado no interior do Estado de São Paulo e não se vislumbra a menor possibilidade de mudança, mas sim, podemos esperar que vai piorar mais ainda, pois a polícia já escaldada de tantos protestos e ameaças de punição contra ela ao fazerem seu trabalho passaram a dizer - isto não é problema da polícia, é um problema de saúde pública !


Algumas notícias entre milhares delas:

Guarda Municipal prende o ladrão de fios do Douradão
http://www.sulnews.com.br/ler.asp?id_noticia=23296

Ladrão de Fio Elétrico é perseguido e preso em São Gonçalo dos Campos
http://planeta1410.com.br/planeta_new/noticia.php?id=1258

Polícia prende ladrão de fios da Ceal
http://www.alagoas24horas.com.br/conteudo/?vCod=13480


***

domingo, 21 de outubro de 2012

Alguém já notou alguma diminuição no valor em reais da conta de luz no horário de verão ?



Notícia na Folha de S.Paulo

21/10/2012 - 00h01
Começa horário de verão; relógio deve ser adiantado em 1 hora
DE SÃO PAULO

O horário de verão começou neste domingo à 0h. Os relógios devem ser adiantados uma hora nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste, além do Estado do Tocantins. A medida vai vigorar até 17 de fevereiro de 2013, uma semana depois do carnaval.
A Bahia, que no ano passado aderiu à mudança, voltou atrás neste ano.
O principal objetivo do horário de verão é aliviar as redes de transmissão de energia nos períodos do dia em que o consumo é mais intenso, principalmente das 18h às 21h.
Com o horário de verão, a expectativa é, segundo a ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), uma economia de R$ 282 milhões devido à redução do consumo de energia
O valor é 56% maior que os R$ 180 milhões economizados no ano passado. 
O motivo é a menor necessidade de acionamento das usinas térmicas, que custam mais caro para gerar energia do que as hidrelétricas.
"O horário de verão é um sacrifício para quem precisa acordar cedo, mas compensa no bolso, já que o custo da geração de energia térmica [que complementa a geração hidrelétrica quando o consumo é muito alto] é pago por todos nós", disse o diretor geral do ONS, Hermes Chipp.
De acordo com Chipp, a redução de demanda no horário de pico deve ser de 4% a 4,5% maior que o ano passado.
Além de reduzir o consumo no horário de pico (19h), há um alívio também na iluminação pública, já que mais tempo de sol, as luzes das ruas demoram mais a entrar em funcionamento.


Comentário:

Vamos fazer algumas considerações técnicas sobre o funcionamento de usinas geradoras de energia elétrica.

Usinas hidroelétricas represam a água de rios e fazem esta água descer por enormes tubos para mover turbinas que através de bobinas eletromagnéticas geram eletricidade.
Usinas termoeléctricas usam derivados de petróleo para aquecer água e gerar vapor que vai exercer pressão para mover as turbinas, o consumo desse derivado é sempre o mesmo, não existe a possibilidade de fazer a turbina girar menos ou mais rápido, isso alteraria a tensão.




Esquemas de funcionamento de usinas para geração de energia elétrica.

Usinas de geração de energia sempre estarão preparadas para fornecer a capacidade total que podem produzir...
Uma exemplo útil para entender isso são as tomadas de força que temos em casa, mesmo que não as estejamos usando sempre existirá nelas a tensão elétrica de 127 Volts.
Consumo só vai existir se ligarmos um equipamento na tomada, mas, a usina geradora sempre deverá fornecer essa capacidade seja ela usada ou não, ou seja, as turbinas da usina estarão girando e gerando potencial elétrico exista ou não consumo.

No caso das hidroelétricas as turbinas dificilmente são desligadas, é uma operação crítica, no caso das termoeléctricas é mais fácil, mas, desligar uma turbina é correr o risco de apagões se ocorrer um aumento repentino de consumo e a usina não estar preparada para fornecer.

Cada turbina tem uma capacidade de geração específica em quilowatts hora, não tem como aumentar ou reduzir essa capacidade de gerar potência elétrica, para "economizar" só se desligar totalmente a turbina.

Se uma turbina for desligada no caso das hidroelétricas a única coisa que vai ser "economizada" é a água que não desce mais pelo tubo, porém, essa água vai ser escoada pela vazão de água da usina e descerá rio abaixo indo para o mar, no caso das termoeléctricas ai sim existirá economia do derivado de petróleo que a move.

Não existe economia de água, a água que não é usada para mover turbinas é escoada rio abaixo (parte branca de água na foto).

Desta forma, a única economia possível é nas termelétricas, se turbinas forem desligadas, mas, como a variação para menos no horário de pico não passa de uma hora (a uma hora variada no HV), entre 18 h e 19 h, é arriscado desligar turbinas e logo ter que religá-las, tanto devido a erros e defeitos que surgem nestas ocasiões como devido a aumentos repentinos de consumo que podem provocar apagões.


Sobre as supostas "economias" que existiriam

Foi dito na notícia que existe economia na iluminação pública porque a luz é ligada mais tarde....
Isso é motivo de riso !
A iluminação pública é ligada e desligada automaticamente através de relés foto-sensíveis (foto célula), o relé é acionado no final da tarde quando a luz do sol desaparece, as luzes acendem, com o nascer do sol o relé é desligado e as luzes apagam.

A fotocélula liga e desliga a iluminação pública de acordo com a presença e ausência da luz do Sol, isso não se altera no horário de verão.

Como o horário de verão não altera o tempo de rotação diário da Terra em relação ao Sol o período de noite será o mesmo, portanto, o consumo de energia pela iluminação pública será exatamente o mesmo.
O que foi dito na notícia é uma lorota.

Com o horário de verão realmente existe uma alteração no horário de pico entre 18 h e 19 h (não entre 18 h e 21 h como foi dito na notícia) mas isso não implica em diminuição de consumo, se ele existir vai ser irrisório.
Não existe diminuição de consumo porque as pessoas são obrigadas a acender as luzes de manhã uma vez que a noite se estende até 1 hora mais tarde de manhã e o horário de trabalho das pessoas não é alterado.
É verdade o que foi dito na notícia: ".. é um sacrifício para quem precisa acordar cedo".
Então, as luzes são ligadas mais tarde a tarde, mas, aparece um consumo extra de manhã, não existe economia de energia, pode até ser que exista um aumento de consumo se as luzes acesas de manhã forem esquecidas acesas.


A pequena queda no consumo de energia elétrica que acontece durante a época do horário de verão não é por causa da mudança do horário, essa queda acontece porque durante este período, que pega as chuvas de verão, ocorre grande incidência de raios  que provocam contantes e prolongadas interrupções do fornecimento de energia elétrica principalmente na região rural.
Nesta época também existe maior probabilidade de apagões em cidades.
Um apagão de apenas 30 minutos no interior de São Paulo "economiza" muito mais energia elétrica que o horário de verão inteiro !


Respondendo a pergunta do título:

Eu pelo menos nunca percebi redução no valor em reais da minha conta de luz no horário de verão...
No meu caso não existe economia nenhuma de energia elétrica.


***

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Guerrilheira holandesa das FARCs - mais uma inocente dominada pela alienante "mente revolucionária". Ela é mais uma evidência do surgimento deste tipo de mente na humanidade.



Notícia na Folha de S.Paulo

17/10/2012 - 08h30
Guerrilheira holandesa participará de negociações com Farc
DA BBC BRASIL

É a guerrilheira de quem todos estão falando: uma jovem holandesa que entrou nas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) faz dez anos e agora participará das negociações de paz que pode encerrar quase meio século de conflito armado.
Seu nome de batismo é Tanja Nijmeijer, mas entre os guerrilheiros ela é conhecida como "Eileen", "Alexandra" ou "Holanda".
Foto de arquivo mostra Tanja Nijmeijer, 34, holandesa que se uniu às Farc em 2002 e negociará paz com Colômbia.
Especula-se inclusive que a inesperada inclusão de Tanja na equipe de negociação das Farc seja uma das razões pelas quais o início do diálogo atrasou. 
As negociações não devem mais começar nesta quarta-feira em Oslo, na Noruega, como estava previsto, mas, sim, no dia seguinte.
Tudo parece indicar que a jovem de 34 anos somente se integraria à equipe negociadora na segunda fase das conversações, marcada para a capital cubana, Havana. 
E isso significa que ainda estaria nas selvas colombianas, onde Tanja entrou pela primeira vez no fim de 2002.
"Estudei cultura e idiomas latinos na universidade de Groningen. 
E como parte do meu curso, tinha de fazer uma parte prática na Colômbia (em 1998)", contou Tanja anos depois durante uma entrevista à rádio Netherlands Worldwide.
"Passei um ano na Colômbia, mas nunca pensei em viver lá ou em me unir aos guerrilheiros. Mas quando voltei à Holanda e comecei a trabalhar como ativista política, percebi que a revolução nunca iria acontecer na Holanda. 
Ela estava acontecendo na Colômbia. 
E por isso resolvi voltar (em 2002)."

DÍARIO NA SELVA

Ela contou ainda que começou como miliciana em Bogotá por seis meses e depois foi fazer um curso na selva. 
"Lá me dei conta que a guerrilha não era como pintava a mídia."
Sua presença nas Farc ficou mais conhecida em 2007, quando o Exército tornou público parte de seu diário, encontrado após um ataque a um acampamento guerrilheiro.
Nele, a holandesa criticava duramente a promiscuidade sexual dos guerrilheiros e o comportamento egoísta de alguns comandantes. 
"Como será quando tomarmos o poder? 
As mulheres dos comandantes em Ferraris, com implantes nos seios e comendo caviar?", diz um dos trechos.
Segundo o analista Leon Valencia, co-autor de um livro sobre a vida de Tanja, isso fez com que ela quase fosse fuzilada.
"(A publicação) teve um efeito demolidor para a imagem de Tanja dentro do comando das Farc e desatou uma onda de pressões por parte de alguns guerrilheiros, que decretaram sua pena de morte", conta Valencia em Tanja, uma holandesa nas Farc.

GUERRILHEIRA ATÉ MORRER?

Segundo o autor, ela foi resgatada pelo comandante guerrilheiro Raúl Reyes, que acreditava que Tanja podia ser útil para melhorar a imagem das Farc na Europa e atrair outros combatentes de lá.
O especialista diz que ela foi subindo de posto rapidamente dentro da guerrilha e não parece deixar dúvidas sobre sua fidelidade aos rebeldes.
"Sou guerrilheira das Farc e seguirei sendo até vencer ou morrer. Isso não tem volta", disse Tanja na época da entrevista.
Agora, porém, como negociadora, parece que sua missão não será trabalhar para tomar o poder, mas sim para alcançar a paz.


Comentário:

No meu artigo "Cultura Ocidental e o surgimento do Socialismo e do Liberalismo"
http://sintesedomarxismo.blogspot.com/
coloco as minhas argumentações de quais foram as razões do surgimento da "mente revolucionária" na humanidade.
Nele descrevo os episódios históricos que manifestaram essa ânsia revolucionária em uma parte dos seres humanos.
Mesmo depois de milhões, talvez bilhões de seres humanos mortos devido a essa "ideia revolucionária" ela continua viva e conseguindo cada vez mais vítimas... é um vírus incurável, enquanto essa doença existir na humanidade os seres humanos jamais terão paz.


Mas, vamos fazer um comentário sobre a reunião na Noruega.

Eu fico pensando.... mas que porcaria é essa ?
Reunião de narco-traficantes disfarçados de guerrilheiros com o governo da Colombia na Noruega ?!
Quem estaria pagando as custas das viagens e estadia por lá de todo esse pessoal ?
Por que não fizeram a porcaria da reunião no Peru ou no Equador, vizinhos da Colômbia ?
Por que precisa ir na Europa para fazer a porcaria da reunião ?
Não sei ....
Acho que os financiadores da "revolução mundial" é que estão bancando essa palhaçada para colocar em evidência os "heróis" revolucionários das FARCs...

Vejamos a seeguir duas fotos da reunião:






Ao ver a foto do guerrilheiro sem a farda e de terno observo seu olhar de satisfação... ele está gozando esse momento de "poder"... não é o poder que ele queria ter, mas, já que não conseguiu, também serve esse tipo de poder.

Vamos agora colocar a foto da guerrilheira holandesa e comentar as palavras dela.


Observem os olhinhos dela...
São os olhinhos do "ser revolucionário".
É o olhar de um ser alienado que vive uma ilusão fora da realidade transcendente.
Freud classificou isso como uma neurose.

Ela escreveu no seu diário:

"... percebi que a revolução nunca iria acontecer na Holanda.
Ela estava acontecendo na Colômbia.
E por isso resolvi voltar"

Essa interpretação falsa da realidade é fruto da mente revolucionária ilusória.
A revolução estava acontecendo na Colômbia !
Dai ela veio para a Colômbia.
Só que não estava acontecendo revolução nenhuma na Colômbia  existia apenas um grupo de malucos iguais a ela no meio da floresta vivendo uma ilusão, que dai a alguns anos iriam se transformar em traficantes e assassinos comuns.

"... a holandesa criticava duramente a promiscuidade sexual dos guerrilheiros e o comportamento egoísta de alguns comandantes.
"Como será quando tomarmos o poder?"

Exato.
A maioria dos "revolucionários" são essa ralé descrita acima.
E a tola menina holandesa ainda sonhava com "a tomada do poder" !
E pergunta como seria ?
Posso responder:
- Seria a mesma porcaria miserável que foi estabelecida em Cuba após a "tomada do poder".

"Sou guerrilheira das Farc e seguirei sendo até vencer ou morrer. Isso não tem volta"

Exatamente !
Quem conhece o marxismo e a "ideia revolucionária" sabe disso, as vítimas dessa doença mental são possuídos por um vírus incurável e jamais sararão dessa doença.

Mesmo agora lá na porcaria da reunião ela jamais deixará de pensar na "tomada do poder" e no estabelecimento da ditadura do proletariado onde toda liberdade será solapada e existirá apenas a imunda ideologia marxista/socialista/comunista dominando na pessoas de seus líderes, que como foi descrito pela própria holandesa - são a ralé da humanidade.
São o que Fernando Pessoa descreveu com magistral precisão no seu "Idéias Filosóficas":

"Se o que há de lixo moral e mental em todos os cérebros pudesse ser varrido e reunido, e com ele se formar uma figura gigantesca, tal seria a figura do comunismo (marxismo), inimigo supremo da liberdade e da humanidade, como o é tudo quanto dorme nos baixos instintos que se escondem em cada um de nós."
Fernando Pessoa, "Ideias Filosóficas"


***

Sobre "direitos dos animais" e sobre o dito popular "quanto mais conheço humanos mais gosto dos animais"



Vou colocar um artigo de blog que encontrei na Internet sobre "direitos dos animais" e os comentários feitos nele, sendo que também coloquei um comentário meu lá que reproduzo aqui.


ARTIGO

Direitos dos animais
Antônio T. Praxedes

As melhores lições teóricas acerca do Direito nunca vêm da Academia, mas do processo criativo humano, da experiência social - o Direito vivo. Quem não lembra das teorias positivistas e das tentativas jusnaturalistas de definição do que é o Direito? Quase tod@ alun@ de Direito é confrontado com essas questões, mas da teoria à prática passa-se muita coisa, e a mais curiosa delas é a atribuição de direitos aos animais.
Em que pesem as lições dos acadêmicos, quanto à natureza da norma jurídica e o ser humano como destinatário de direitos, existe cada vez mais aceitação de que não é apenas o ser humano que é alcançado como sujeito de direitos, isto é, alguns autores e muitas vozes têm defendido cada vez mais a extensão do âmbito de proteção normativo às coisas; a idéia central é, não mais considerá-las como bens jurídicos, completamente à disposição do Homem. 
Assim, não só o meio ambiente mas as gerações futuras também podem ser sujeitos com direitos a serem protegidos pelo ordenamento jurídico. 
O único entrave à concretização desse objetivo reside no exercício, concretização ou defesa desses direitos que, logicamente, só podem ser perseguidos e concretizados através da inteligência humana. 
Essa gama de direitos, nomeadamente os direitos difusos, serve como limite jurídico ao apetite voraz e destruidor da ação humana no planeta.
Ora! Não passa de mera divagação teórica e uso ideológico do Direito não permitir que a Natureza deixe de ser considerada uma coisa (exp. jur.). 
Isso de certa forma já é conferido às empresas, como alude uma interpretação constitucional da Corte Suprema dos Estados Unidos da América, que confere alguns direitos civis às pessoas jurídicas. Essas têm interesses jurídicos e atuam mediante representantes; são, portanto, sujeitos de direitos e deveres, podendo contrair obrigações, no presente e no futuro.
No mesmo plano, os direitos dos animais voltam-se ou, dizendo melhor, constituem-se em deveres em relação aos seres humanos; os semoventes não podem (ou não deveriam) ser submetidos a tratamento cruel, nem deveriam simplesmente servir aos interesses meramente econômicos das "sociedades-de-fetiche". 
É bem claro que existe uma relação de co-dependência entre humanos e outros animais, na estrutura de uma cadeia alimentar e na preservação do equilíbrio ambiental. 
Mas há outros "usos" que não são apenas desnecessários, como poderiam ser facilmente evitados, como é o caso da pesca do tubarão, nos mares do Japão (do qual se extraem apenas as barbatanas), e das focas, no Círculo Polar Ártico.
Mas, criticamente (e com ar pessimista), pensar tudo isso é grande bobagem. Porque décadas atrás positivaram-se direitos humanos, e a barbárie e a carnificina humana continuam ao redor do mundo... 
O que me leva a pensar na frase que ouvi anos atrás, em tom de piada: "Quanto mais conheço as pessoas, mais gosto dos animais".


Comentários no blog:

Anônimo disse...
Bom, sou vegetariana e estudo direito. 
Ao perguntar sobre o direito dos animais a um professor, ele me disse que eles nunca são sujeitos de direitos, mas apenas objetos da relação jurídica, já que as leis que visam protegê-los são postas por homens afim de legislar sobre a ação de outros homens
Deforma que o direito é apenas uma invenção nossa e serve para mediar nossas relações sociais. 
Isso confirma ainda o que muitos vegetarianos pregam, isto é, a impossibilidade dos animais se libertarem por si mesmos, como estão fazendo as mulheres com o machismo.
E é claro que as mazelas sociais continuam após a proclamação e constitucionalização dos DH, mas ao menos podemos (aqueles que têm acesso à justiça) recorrer a alguma instituição formal e pedir que cessem essas barbáries! 
O mesmo pode ser sonhado para quem testemunhar agressões contra animais - como muito já acontece nos EUA. 
Apenas tentando dar-lhe esperanças para que não desista de lutar pelos direitos do animais.

Antônio T. Praxedes disse...
Primeiramente, do ponto de vista do Direito moderno e formal, o seu professor estah absolutamente certo. Faz parte da teoria do Direito considerar os animais como objetos (os semoventes). Entretanto, considerando as linhas de pensamento pos-modernistas, nao posso considerar aquela assertiva de outra forma, a nao ser como uma declaracao juridico-politica, coberta pelo manto do liberalismo positivista. O que vem a proposito de dizer que, toda teoria do Direito eh uma construcao ideologica do Direito. O exemplo das pessoas juridicas dah a medida exata dessa visao ideologica - pelo menos, esta minha tese.
Tambem, como expressei no texto, a razao humana (expressa pela comunicacao) parece ser uma das poucas formas de tutelar a preservacao ambiental - por questoes obvias, nao eh preciso ir muito alem dessa afirmacao. O que eh interessante observar eh o fato de que existe toda uma construcao teorica e uma pratica que colocam em segundo plano todas essas questoes. Mas o que convem asseverar, dentre outras coisas, eh que preservar fauna e flora eh tambem preservar a humanidade - eis um teste `a inteligencia humana: manter o equilibrio entre a humanizacao do mundo e a mundializacao do homem...


Meu comentário:

Quando eu era criança morava em uma cidadezinha rural e a molecada era grande e "má"...
Existiam moleques que pegavam cachorros e gatos e amarravam panos no rabo deles e punhan fogo só para darem risada ao verem o desespero dos animais...
Gostavam também de pegar gatos e dar chutes neles como os chutes de goleiros na bola para o meio de campo.
Quando viam um lagarto o matavam a pauladas.
Tinham estilingues para matar passarinhos e muitas vezes judiavam das vítimas.
Eu nunca fiz tais coisas, não porque achasse errado, mas sim, porque eu não precisava disso para viver.

Hoje adulto continuo achando tais ações coisas de gente doente.
Não há necessidade disso, mas, no mundo atual extrapolaram essa justiça ao ponto de estar na legislação penal penas de 6 meses de cadeia para quem não socorrer seres humanos e de 4 anos de cadeia para quem não socorrer animais....
Isso também é coisa de gente doente na minha opinião.

É claro que devemos pensar em preservar as baleias e os tubarões, mas não por uma questão moral como muitos apregoam, devemos fazer isso por ser algo inteligente, para que possamos ter tais animais para nosso uso inteligente sempre.
Se estivermos em um navio e este naufragar os tubarões não vão ter nenhum empedimento moral em nos devorar vivos, então, é uma tolice termos valores morais em relação a eles.

Os gregos escreveram no Templo de Delphos:  "Conheça-te a ti mesmo. Nada em excesso."

Nada em excesso.... ter "amor aos animais", é coisa de gente doente... gente que não consegue coragem para conviver com humanos, os únicos animais que tem cérebro com capacidade de entender e sentir amor.
Tais pessoas não tem coragem para enfrentar a vida como ela é e se refugiam neste sentimento sem sentido.


Sobre uma parte do que a pessoa "anônima" disse:

"eles nunca são sujeitos de direitos, mas apenas objetos da relação jurídica, já que as leis que visam protegê-los são postas por homens afim de legislar sobre a ação de outros homens."

Comentário:

Isso me parece que tem o seguinte significado:
- Os "direitos dos animais" são estabelecidos pelos humanos e não pelos animais, e os humanos estabelecem tais direitos em função do que eles próprios acham que é certo de acordo com a ideologia que tem dentro da cabeça e mais ainda - por interesse próprio.
Os humanos que estabelecem tais direitos se acham donos da verdade e querem IMPOR o que acham certo as demais pessoas, tanto é assim que fazem leis e estabelecem punições para que não agir de acordo com o que eles acham certo.
Isso é apenas mais um tipo de DITADURA ideológica.
Isto é a mesma coisa que o nazismo queria fazer - impor o que eles achavam que era certo.

É isso, pois da mesma forma que os nazistas não sabiam e nem queriam saber a opinião das pessoas que não pensavam como eles, os defenssores dos "direitos dos animais" também agem da mesma forma, acham que é certo o que pensam e impõem leis e punições para quem não as cumprir.

Por exemplo a estúpida lei que criaram no Brasil de que quem não prestar socorro a um humano terá pena de 6 meses de cadeia e quem não prestar socorro a um animal terá pena de 4 anos de cadeia !
Os criadores dessa irracional lei não fizeram um plebiscito para saber a opinião da população brasileira ... eles simplesmente impuseram a lei aos brasileiros.
Por essa razão eles são iguais aos nazistas - ditadores estúpidos que se acham donos da verdade.

***

Agora vamos fazer alguns comentários sobre o "dito popular" (cada vez mais popular) "Quanto mais conheço os seres humanos mais gosto dos animais "


Na Internet encontrei algumas opiniões sobre o assunto tais como:

"Concordo. Animais não mentem, não traem, não te xingam, não tem preconceitos, etc.
Apenas te amam incondicionalmente."

Comentário:

Me parece que para a criatura que escreveu isso os animais quando vêem um humano os abraçam e beijam emocionados...
Isso me lembra a história de um norte-americano (Timothy Treadwell - ver link abaixo) maluco que todo ano ia para o Alaska com a namorada viver meses junto com os ursos, amava os ursos e os achava muito melhores que os humanos... um belo dia ele e a namorada foram devorados pelos ursos, para confirmar a cena ele sempre ligava a câmara para filmar e pegar sons, desta vez a câmara pegou os gritos de pavor e dor dos dois amigos dos ursos sendo devorados por eles.
A vida pregou uma bela peça nestes dois alienados.
Animais não amam humanos, o cérebro de animais não está suficientemente desenvolvido para ter essa capacidade, supor isso é uma enorme tolice, os animais que ficam perto dos humanos fazem isso por interesse, porque são alimentados e protegidos.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Timothy_Treadwell


Outro texto:

"Concordo com sua frase: A grande verdade é que a cada dia que passa.. perdemos mais a fé na humanidade... 
Os animais são sem duvidas mais humanos do que qualquer ser humano...
Com certeza podemos chamar esses simples animais de anjos, nossos anjos...
Diferente do ser humano, os animais não têm maldade...
Eles não nos traem, não nos maltratam, não nos julgam.. não nos cobram e jamais nos abandonam."

Comentário:

Perde a fé na humanidade porque é um patife que tem medo de enfrentar a vida como ela é.
Essa pessoa deveria ser colocada dentro da selva amazônica e deixada lá sozinha para que ela enfim percebesse o quão humanos os animais são.
E a pessoa diz: animais são anjos...
Eu diria a ela: entre na região de caça de um tigre faminto e verás como são tais anjos.
Deixe seu cão sem comida e você vai ver que ele vai te abandonar.

Pessoas que dizem gostar mais de animais do que de humanos são fracas, medrosas, adorariam ser acariciadas por alguém mas não tem coragem nem para ir procurar esse alguém... se enclausuram dentro de quatro paredes e se isolam do mundo.

Um texto legal que encontrei na Internet:

"As pessoas que gostam mais de animais geralmente sao pessoas que nao gostam de lidar com o próximo e lidar com suas opiniões e atitudes. infelizmente enquanto estiver nesta terra eh atraves dos humanos que se tem progresso, porque por mais que você goste mais dos animais, não sao eles que cuidarão da sua saúde, que irão te entrevistar para te dar um trabalho, e etc. o ser humano eh um ser sociável e só existe progresso lidando com o próximo."

***

sábado, 13 de outubro de 2012

No mundo falso e hipócrita em que vivemos muitos se fazem de idiotas para com isso continuarem vivendo confortavelmente sem produzirem o suficiente para terem direito a isso.


Notícia na Folha de S.Paulo

13/10/2012 - 18h27
Milhares protestam em Madri, com lema 'não devemos, não pagamos' 
DA AFP, EM MADRI
Andres Kudacki/Associated Press

Batendo panelas, frigideiras e tampas para se fazer ouvir pelos poderes públicos, cerca de dois mil espanhóis marcharam no sábado no centro de Madri para protestar que os efeitos da crise recaiam na população, enquanto os bancos são resgatados.
Convocados pelos 'indignados', sob o lema "Não devemos, não pagamos", homens e mulheres de todas as idades, alguns com crianças, partiram em um clima de festa da sede da União Europeia, na capital espanhola, até a emblemática praça Porta do Sol.
"É mentira tudo o que nos estão dizendo, que a causa desta crise é o gasto dos serviços públicos, da saúde, da educação, quando sabemos que os governos estão financiando os bancos", disse Marita Casa, professora aposentada que exibia na cabeça uma panela enfeitada com uma flor.
Ao seu redor, centenas de pessoas gritavam, "Não é uma crise, é uma fraude!" e "Não pagamos esta dívida!".
Manifestantes seguram cartazes contra medidas de austeridade fiscal, em Madri
Ainda que em menor número do que em outros protestos, os manifestantes conseguiram causar grande barulho, usando o que tivessem a mão, como tambores, conchas de cozinha, pedaços de pau ou buzinas de bicicleta.
"A ideia é fazer muito barulho para que nos ouçam, embora já sabemos que estes dirigentes não têm ouvidos para nós", dizia Marita, enquanto pedia "um sistema econômico diferente, que não se baseie no crescimento, mas nas pessoas".
Enquanto isso, um idoso distribuía para a multidão cartazes onde se podia ler "Ditadura dos bancos NÃO", "Privatizam para roubar mais" e "Euro-roubo".
"Parece patético que tenham dado o prêmio Nobel da Paz à União Europeia", revoltou-se Olga Díez, administradora de 45 anos, considerando que Bruxelas também é responsável de que o cidadão comum pague por uma crise que não provocou.


Comentários:

Muitos comentaristas ao falarem da situação na Europa se referem a "crise da Europa" e em conseqüência dizem o maior absurdo da história toda - dizem que a Espanha, a Grécia e Portugal são as maiores "vitimas" da crise !
Mas que alegação safada é essa ?
A crise foi justamente causada pela falência destes 3 países !
Estes 3 países não são "vitimas" da crise, eles são a causa da crise !

Não existe uma "crise da Europa" uma vez que diversos países da Europa estão com a economia em ordem e sem nenhum problema econômico.
Os únicos países que estão com dívidas que não conseguem pagar são Portugal, Espanha e Grécia.
Foi a inadimplência destes 3 países que deu origem a crise.
E a causa da falência desses 3 países é que foram governados por muitos anos por partidos socialistas, e estes, deram todos os "direitos" exigidos pelos folgados que gostam de viver bem sem trabalhar bastante e bem.
Os espanhóis quiseram ter um sistema de saúde igual ao que os alemães tem... só que, os alemães produzem um grande PIB e tem dinheiro para sustentar seu sistema de saúde, e os espanhóis não.
O que então o governo socialista espanhol fez ?
- Emprestou dinheiro de bancos para sustentar as mordomias da saúde ao povo...
E fez isso por anos, a dívida interna da Espanha foi aumentando, aumentando, até chegar a um valor que o governo já não conseguia pagar os juros de tão grande era a dívida era em relação ao que a Espanha produz.
O que aconteceu então ?
Os bancos que emprestaram ao governo socialista foram a falência, pois não receberam de volta o dinheiro que emprestaram ao governo.

Muito bem... e o que fazem agora os folgados que viveram as custas desse dinheiro emprestado pelo governo para terem boa saúde pública ?
- Dizem que estão sendo roubados pelos bancos !
E a totalidade dos analistas econômicos, politicamente corretos safados que sustentam a hipocrisia atual, com certeza sabem as reais causas da situação, mas, se fazem de tontos ....  e falam da "crise da Europa" e com isso protegem os folgados espanhóis, e gregos, que sem terem competência querem ter padrão de vida igual a dos alemães produtivos.
E assim continua a rotina da hipocrisia generalizada atual...


Vamos dizer alguma coisa sobre os trechos grifados em negrito.

"É mentira tudo o que nos estão dizendo, que a causa desta crise é o gasto dos serviços públicos, da saúde, da educação, quando sabemos que os governos estão financiando os bancos",

Não sei se isso é desconhecimento ou safadeza.... creio que seja safadeza.
Esse pessoal viveu uma vida em alto nível até pouco tempo atrás, quem sustentava essa mordomia era o governo, e o governo obtinha dinheiro emprestado dos bancos, uma vez que a Espanha não produzia o suficiente para que os impostos fossem suficientes para pagar a conta das mordomias.
Depois de anos a dívida pública estava enorme, e o governo espanhol faliu, ao falir fez os bancos credores falirem também.
Para resolver a situação a UE está emprestando dinheiro ao governo espanhol para que pague os bancos, mas, a UE exige que a Espanha pare com as mordomias ... a ai a cambada de folgados sai as ruas para se fazer de tontos e gritar mentiras safadas.


"Não é uma crise, é uma fraude!" e "Não pagamos esta dívida!".
....
"Ditadura dos bancos NÃO", "Privatizam para roubar mais" e "Euro-roubo".

Então, se fazem de tontos e com isso justificam o calote.
Na minha opinião são vagabundos safados.


"um sistema econômico diferente, que não se baseie no crescimento, mas nas pessoas".

Eis ai a ideologia cega marxista por trás da coisa toda mostrando a cara suja.
Eles querem um sistema "que se importe com as pessoas" e não se importe com crescimento - mas - eles querem boa saúde, boa segurança, bom transporte, boa infra-estrutura, etc, .... e como eles acham que vão ter isso sem produzir crescimento econômico ou no mínimo produzir o necessário para cobrir tais despesas ?
- Não sabem....
Isso nada mais é que a estúpida ideologia marxista, socialismo, comunismo, que a Espanha infelizmente cultua desde a Guerra Civil Espanhola de 1935, que nada mais foi que uma "revolução do proletariado" pregada pela ideologia marxista que matou 700 mil pessoas, os espanhóis ainda não aprenderam, nem com a tragédia do passado nem com a atual.
Isso nada mais é que a velha e estúpida critica ao "capitalismo" sem entretanto apresentar qual seria a fórmula mágica para "se preocupar com as pessoas" sem produção econômica.... até parece que casas para as pessoas morarem caem do céu prontas sem precisarem serem construídas.
A loucura maior, a insanidade hipócrita, é que a Espanha ficou nesta situação porque foi governada justamente por socialistas, os criadores dessa ideologia cega, e todo mundo faz de conta que não sabem disso !

O pior, mais ainda, é que o EUA também foi dominado por essa ideologia estúpida....
A ONU foi dominada por essa ideologia estúpida...
Todos os "criadores de palavras" foram dominados por essa ideologia estúpida...
E eles, em sua hipócrita irresponsabilidade, não param ai, estão interferindo militarmente em nações soberanas como fizeram na Líbia e estão fazendo na Síria, querem "transformar o mundo" os insanos, e com isso já iniciaram uma guerra entre Turquia e Síria que poderá envolver outras nações como a Rússia.

Deram o prêmio nobel da paz para a UE... mas, isso não valerá de nada porque a UE e todo o ocidente caminham para um ajuste de contas catastrófico entre os vagabundos e irresponsáveis do mundo com a implacável realidade da vida.
A guerra entre Síria e Turquia pode ser o começo dessa catástrofe que irá desmentir o hipócrita prêmio nobel da paz dado a Europa, uma vez que a Turquia faz parte da Europa, a OTAN que bombardeou a Líbia também é da Europa, e a Europa já teve uma guerra sangrenta recentemente no Bálcãs o que mostra que esse prêmio nobel da paz é só mais uma farsa entre muitas que existem atualmente.

***

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

As ideologias criam "conceitos" que fogem a lógica e ao bom senso. É o caso da "opinião" de "intelectuais" socialistas com respeito ao preconceito criado com as cotas para brasileiros entrarem na universidade.


Artigo na Folha de S.Paulo

Vou fazer comentários com respeito aos trechos grifados em negrito e numerados sequencialmente.


08/10/2012 - 03h00
Cotas, mérito e democracia
Luiz Carlos Bresser-pereira

Desde a transição democrática, em 1985, a sociedade brasileira tornou-se melhor. 
Não tanto no plano econômico, onde o progresso foi modesto, mas nos planos social e político, onde os avanços foram grandes. [1]

Somos ainda uma sociedade injusta, mas a desigualdade diminuiu; somos ainda uma sociedade autoritária, mas agora os eleitores pobres têm voz e são respeitados; [2] somos ainda uma sociedade elitista, mas nos demos conta desse fato, e estamos tentando construir, mais do que um Estado democrático, também uma sociedade democrática.
Talvez a demonstração mais extraordinária dessa mudança de atitude foi a aprovação no Congresso Nacional e a sanção pela presidente Dilma da lei que estabeleceu uma cota geral de 50% das vagas nas universidades públicas e escolas técnicas federais para os estudantes das escolas públicas oriundos de famílias com até um salário mínimo e meio per capita. [3]

O que imediatamente me ocorreu, ao ver os deputados e senadores aprovarem uma lei com alto conteúdo democrático e humano como é esta, foi que os brasileiros não se deixaram perverter pelo individualismo feroz dos 30 Anos Neoliberais do Capitalismo (1979-2008). [4]

Que, não obstante as críticas insistentes que os ricos e a classe média tradicional [5] vêm fazendo à política de cotas, as ideias de solidariedade e de coesão social falaram mais alto no Brasil.

E que seus representantes no Parlamento, hoje tão prejudicados em sua imagem, souberam compreender esse fato.

Mas "essa política não considera o mérito", dizem os críticos conservadores. [6]

Mérito medido de que maneira? 
Mérito medido em exames vestibulares, quando o último Ideb para o ensino médio foi de 3,5 para os alunos das escolas públicas contra 5,7 para as escolas privadas?
Essa diferença brutal deixa muito clara a imensa desvantagem dos pobres na competição para chegar ao ensino superior no Brasil. 
Portanto, em termos de justiça, a política de cotas está corretíssima. [7]

Mas estará essa política correta em termos de eficiência, entendida esta como o melhor uso dos recursos humanos do país? Não estaríamos com ela dificultando que os jovens com maior potencial cheguem à universidade? 

Pelo contrário, argumento que a política de cotas dá oportunidade aos melhores.
O raciocínio é simples, e não está baseado no fato bem conhecido de que os jovens pobres são mais motivados pelo estudo. 
Os estudantes das escolas públicas representam cerca de 80% do total dos alunos do ensino médio.
Se supusermos que, em termos de potencial inato, os estudantes das escolas públicas e particulares são em média igualmente inteligentes e criativos, é necessário concluir que os 2% de alunos mais brilhantes dos 80% por cento das escolas públicas são, em média, mais capazes que os mesmos 2% dos 20% das escolas particulares.
Creio que este raciocínio explica a experiência das universidades que introduziram cotas. [8]
Os alunos por elas beneficiados têm desempenho geralmente muito bom, não obstante terem aprendido muito menos nas suas escolas do que os alunos das escolas privadas.

Com a política de cotas as universidades que tomaram a iniciativa de adotá-las, os brasileiros e agora o Parlamento brasileiro que as torna obrigatórias não estão sendo apenas democráticos e solidários; não estão apenas pensando em justiça.
O argumento da justiça já seria suficiente para justificá-la, mas quando a ele se soma o do mérito associado ao do potencial, a política de cotas ganha plena inteligibilidade e legitimidade. [9]


Comentários:

[1]
O Brasil a 20 anos atrás estava lá no final da classificação por produção interna (PIB) e hoje é a sexta economia do mundo e a pessoa vem dizer que o progresso econômico não foi grande !
Isso é uma fuga da realidade empírica, coisa típica de seguidores da ideologia cega.
O Brasil não evoluiu quase nada em termos sociais, 40 milhares de pessoas continuam na miséria total vivendo as custas dos 90 reais do Bolsa Família.
Ou seja, o Bresser tá vendo coisas que não existem.

[2]
Eleitores pobres tem direito a um voto por eleitor da forma que sempre foi, não mudou nada, a força do voto é o próprio voto, destinado a quem o eleitor deseja eleger.
E em uma eleição apenas uma parte dos eleitores conseguem eleger seus candidatos, e mesmo assim, não tem força alguma sobre eles, pois quando eles estiverem nas assembléias ou palácios agem por conta própria.

[3]
Como uma lei que segrega uma parte dos cidadãos em proveito de outra parte dentro de um país pode ser democrática ?
Milhões de famílias, em vista do péssimo ensino fornecido pelo governo nas escolas públicas, fazem grandes esforços financeiros, deixando de consumir coisas para poder pagar uma escola melhor para os filhos para depois os verem barrados no vestibular e vem a pessoa chamar isso de "democracia" ?!
Sabemos qual é essa "democracia"... é a "democracia" da "ditadura do proletariado", onde apenas uma classe irá ter direitos.
Democracia seria se o corrupto e incompetente governo brasileiro, não apenas o atual, todos de todos os tempos, tivessem competência para fornecer um ensino público bom e com isto todos os alunos tivessem as mesmas chances.
Isso é uma coisa básica, límpida e insofismável, e apenas alienados com a mente dominada pela ideologia cega não tem capacidade em perceber isso.

[4]
Dizer que o Brasil em alguma época foi "neo" liberal é uma piada.
No Brasil jamais existiu liberalismo, sempre fomos um país dominado por uma elite latifundiária e que sempre manteve a educação nos mais baixos níveis possíveis para com isso manter o povo inculto.
Uma nação que impõe a seu povo exorbitantes taxas de impostos, imensos latifúndios e corrupção endêmica no governo passa muito longe do liberalismo ou do "neo" liberalismo.
Bresser não tem a menor idéia do que foram os conceitos criados pela Escola de Chicago que Reagan e Thatcher aplicaram em suas nações.

[5]
Depois da "venda" das estatais não existe mais classe média no Brasil, foi extinta.
Agora existe a "classe C" com salário de 800 reais.
E mesmo que existisse uma classe média por que tais famílias tem que ser punidas ?
Por acaso os pais e mães de classe média são ladrões ?
Tais famílias ganham dinheiro não com trabalho mas sim roubando ?
Um dentista de origem pobre que se esforçou muito para fazer faculdade e que hoje consegue pagar uma escola melhor para os filhos tem que ser punido por isso ?
Tem que ver os filhos sendo barrados na universidade por uma lei preconceituosa e ficar calado sem reclamar dessa injustiça ?
Sabemos de onde vem esse "conceito democrático" de Bresser.... vem da ideologia cega que odeia os bem sucedidos.

[6]
Os seguidores da ideologia cega gostam de classificar os que não concordam com seus preconceitos de "conservadores"...

[7]
Impressionante...
O governo que cobra dos que produzem uma das maiores taxas de impostos do planeta fornece para a população um péssimo ensino público, e, em vez de cobrar deste incompetente governo um melhor ensino para todos o Bresser diz que o governo está corretíssimo em colocar dentro da universidade alunos com média 3,5 e deixar de fora da universidade alunos com média 5,7 !
Isso é uma aberração.
Somente as mentes dominadas pela ideologia cega podem classificar tal coisa como sendo correta.

[8]
Desconstrucionista de araque...
Se são os mais competentes por que então precisam de cotas ?
Se não precisa de um bom ensino primário e secundário para fazer uma universidade vamos aboli-los ....
Não precisa mais ensino básico.
Todos vão direto para a universidade, com a ressalva é claro, os pobres terão 50% da vagas para eles.
E lá na universidade os professores ensinarão as noções básicas de matemática, português, etc.
E estaremos na mais perfeita das sociedades !

[9]
Mas que cara de pau !
Argumento da justiça !
O cara quer excluir da entrada na universidade pública uma parte dos brasileiros porque estudaram em ensino básico privado, porque o ensino básico público não presta, e diz que isso é justo !
Sabemos porque Bresser diz isso ... essa é a "justiça" que existiria na "ditadura do proletariado", e que, mesmo não existindo, porque em todas as nações que foi imposta levou a nação a falência, os "intelectuais" socialistas nos países onde tomaram o poder camuflados de "progressistas" defensores de "direitos humanos" querem paulatinamente institui-la de forma camuflada.

Conclusão.

Se a solução são as cotas, a dedução a que chegamos é que o ensino no Brasil continuará eternamente péssimo, com as cotas foi instituída juridicamente a incompetência do governo em fornecer ensino de qualidade, e desta forma está decidido no Brasil - o ensino vai continuar a mesma porcaria que sempre foi.
E não se tem nada a fazer porque essa mentalidade dominou de forma avassaladora no Brasil.
Pode-se apenas lamentar ...
Pobre Brasil, pobre povo brasileiro que jamais terá uma educação digna do nome.

***

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Os nomes das ideologias que embalam a ilusão humana de criar um paraíso terrestre mudam mas a utopia continua a mesma, a mais recente é o anarco-capitalismo, só mais um tipo de total ausência da realidade empírica.



Um membro da comunidade do ORKUT "Marx é inquestionável?!" colocou no tópico "Anarquismo" o link a seguir:

http://tempossafados.blogspot.com.br/2012/05/o-homem-que-vendera-o-mundo.html

Onde encontramos o seguinte texto:

"O homem que venderá o mundo

Existe um teórico político pouco conhecido do público brasileiro que defende com unhas, dentes e dólares uma espécie de conciliação entre o liberalismo e o anarquismo. Este homem se chama David Friedman. É doutor em Física, professor de Direito pela Universidade de Santa Clara na Califórnia e filho do economista Milton Friedman (um dos líderes da Escola de Chicago, cujo trabalho influenciou os governos de Nixon, Reagan e Pinochet). A obra mais conhecida de David Friedman se chama “As engrenagens da liberdade” (escrita em 1973), na qual o autor advoga em favor do libertarianismo ou anarco-capitalismo, ideologia que cresce exponencialmente nos EUA, e que já possui alguns adeptos aqui no Brasil. Neste post, tentaremos abordar algumas ideias do teórico sobre seu projeto de organização sócio-política.

É muito comum a afirmação, entre os historiadores, de que o anarquismo moderno nasceu entre (e pela crítica do) o liberalismo e o socialismo. Entretanto, a reivindicação do título de anarquista por D. Friedman não admite (pelo menos explicitamente) nenhum débito com os movimentos sociais, nem com os autores clássicos dos séculos 19-20 (Proudhon, Bakunin, Kropotkin e Malatesta). Pelo contrário, o teórico se diz herdeiro da tradição liberal radical de Adam Smith, Hayek e de seu pai, Milton Friedman. 
A defesa do anarquismo de direita se apoia num ponto comum do anarquismo de esquerda: a abolição do Estado em favor do autogoverno (ou governo auto gestionário). 
Podemos dizer que ultrapassa, portanto, o “Estado mínimo” de Smith, por caracterizar uma fase “pós Estado mínimo”, algo que o próprio Smith já havia mencionado como “objetivo último” da sociedade do laissez-faire. 
Para Smith, o Estado desapareceria após ter cumprido suas tarefas de estruturação física para o funcionamento completo do mercado, entendido não somente como troca de mercadorias, mas também como relação de comunicação entre os homens e como modo imediato de acesso à política. 

Ou seja, a política seria substituída pela economia, algo que já podemos perceber nas relações políticas institucionalizadas do capitalismo contemporâneo, onde as decisões são tomadas somente para adequarem às demandas do mercado.

Embora defenda com vigor a economia capitalista, Friedman (imagem à direita) faz críticas precisas aos governos e as políticas intervencionistas do capitalismo. 
Assim, o autor escreve sua apresentação: “Eu acredito [...] que todos têm o direito de viver a própria vida, de irem ao inferno à sua própria maneira. 
Concluo, como muitos esquerdistas, que toda censura deveria ser abolida. 
Que as leis contra as drogas, sejam elas a maconha, a heroína ou o Remédio Milagroso Contra o Câncer do Dr. Falcatrua, deveriam ser repelidas. 
E também as leis que obrigam os carros a terem cintos de segurança. O direito de controlar minha vida não significa o direito de ter livre tudo o que quero; a única maneira de fazer isso seria obrigar alguma outra pessoa a pagar pelo que recebo. 
Como todo bom direitista, eu me oponho aos programas de bem-estar social que sustentam os pobres com dinheiro tirado à força dos contribuintes. 
Também me oponho às tarifas, subsídios, empréstimos garantidos, renovação urbana, preços mínimos para produtos agrícolas, em suma, todos os muito mais numerosos programas que sustentam os não-pobres, e quase sempre os ricos, com dinheiro tirado à força dos contribuintes, quase sempre dos pobres” (FRIEDMAN, 1973, p. 8).

Smith acredita que o Estado deve possuir apenas três funções:
defender a sociedade da violência ou invasão de outras; 
proteger cada membro contra a opressão e injustiça de outro, tendo uma administração exata da justiça; 
e manter obras públicas que o interesse privado não faria. 

Mises, outro teórico do liberalismo, advoga que o Estado deve somente garantir a segurança interna e externa. 

Já para Friedman, o Estado só é útil (e um mal necessário) para defender um país de outro em caso de guerra. 

Mas, esta situação será passageira, pois assim que o anarco-capitalismo estiver universalizado não haverá mais nações, nem controle de imigrações.

E as outras funções atualmente exercidas pelo Estado, como polícias, tribunais e leis? 
A resposta é o mercado. 
Com a abolição do governo, estes serviços passariam a ser do cargo de empresas privadas. Tudo seria vendido! 
As próprias leis seriam vendidas no mercado através das agências de proteção (que fariam a segurança interna, prevenindo os crimes e protegendo os cidadãos) e os tribunais privados julgariam as divergências entre empresas e o conflito entre os cidadãos. 
Friedman diz que este serviço seria mais eficiente e mais barato do que o que Estado cumpre. 
Os cidadãos só comprariam as leis que julgariam indispensáveis para sua vida, por isso, a tendência para uma sociedade libertária seria muito grande.

Aliando anarquia e capital, os projetos sócio-políticos de Friedman me parecem extremamente frágeis, sobretudo por não levar em conta a antiética dos empresários envolvidos no mercado de leis e seus consumidores (mais ricos ou astutos). Tampouco, a concorrência (não raras vezes) nada saudável entre empresas do mesmo ramo. Aliás, ele até toca neste assunto, mas diz que uma disputa violenta entre as empresas as levariam a perderem lucros, o que não é bom para nenhuma, então, razoavelmente, resolveriam as desavenças com acordos mútuos. 
O autor ainda reitera que uma empresa inescrupulosa seria naturalmente rejeitada pelos consumidores, indo à falência. 
Mas, desconsidera a rede de interesses presente nas informações sobre tal empresa, divulgadas pela imprensa, por exemplo. Assim, não seria raro o ataque midiático às empresas éticas para desqualificá-las em prol das que financiassem esse “serviço bacana”.

Friedman admite que haveria um sério problema caso as agências de proteção resolvessem orquestrar uma espécie de golpe de Estado (sem Estado) e tomar o poder político através da seu poderio bélico. 
Por isso, discorda do desarmamento da população, neste caso, é preciso que os cidadãos tenham armas e queiram usá-las. Contudo, adverte que a possibilidade disto acontecer seria menor conforme o número de agências de proteção (e é bastante otimista quanto a isso). 
De todo modo, atualmente a polícia e o exército podem fazer o mesmo, mas porque não fazem? 
O autor afirma que tais pessoas acreditam ter um senso de justiça extremo, por isso possuem uma ética que as impedem de fazerem o que consideram errado. 
Creio, piamente, que Friedman não conhece a polícia brasileira, caso contrário, voltaria atrás neste argumento.

O autor crítica o socialismo porque não permite um conflito de interesses e não respeita a pluralidade do pensamento humano; pois, embora o anarco-capitalismo não queira fazer do conflito uma regra, possibilita sua existência e o encontro de uma solução. 
Os acordos de cooperação são espontâneos, decididos entre dois ou mais indivíduos através de um contrato acordado. 
Friedman também ataca o “Estado mínimo” porque universaliza as leis tentando uniformizar as opiniões e as ações, neste caso, o mercado de leis seria mais propício para atender as “imperfeições” das pessoas. 
Além disso, o “Estado mínimo” é ilusório, porque não tem uma medida exata do que é “mínimo” e do que é “dispensável”; logo, seu poder coercivo aumenta como aconteceu na história política das federações estadunidenses.

Por último, Friedman aponta as estratégias para um partido libertário. 
Aqui ele quebra um dogma do anarquismo de esquerda, que é a ausência e a negação de partido. 
O papel do partido libertário anarco-capitalista se difere dos outros, pois ao chegar ao poder político, quer eliminar ou diminuir drasticamente o governo. Contudo, esta tática de disputar as eleições procura muito mais disseminar as idéias libertárias do que vencer a concorrência (as derrotas serão importantes). 
O partido possui um objetivo ideológico de disseminar seu conteúdo inclusive aos outros partidos, que adotarão as idéias libertárias após perceberem que estas despertam simpatia junto aos eleitores. 
Com o amadurecimento, um dia, um libertário legítimo ficará à frente das decisões políticas e os cidadãos-comuns estarão frente a frente com o homem que venderá o mundo; assim, como na canção de David Bowie (vídeo abaixo)."


Comentários:

Um texto legal este do blog !
Fazia tempo que eu não lia algo assim.

Vou escrever uma "introdução" e depois vou separar alguns trechos com as idéias de Friedman e comentar.

O anarquismo, seja ele o moderno ou o antigo, e o socialismo seja ele qual for, são utopias, ilusão, são ausência de realidade humana e da natureza.
Não existe, na minha opinião, nada melhor que o liberalismo, o liberalismo que Mises propunha, ou o de Smith sem a terceira condição das obras públicas.

Como já coloquei no meu estudo sobre as origens do socialismo (e do anarquismo) e do liberalismo, o socialismo e o anarquismo tem como premissa básica a loucura criada (ou propagada) por Rosseau, de que "o ser humano é bom por natureza".
Isso é uma das "filosofias" mais estúpidas que humanos já pensaram.
Não que os seres humanos sejam maus...
Não se trata disso.
Os humanos são - animais.
E os animais são conduzidos por uma força descomunal que domina seu corpo e mente, seja ela a mente de um coelho ou a mente de um humano - o desejo sexual.
Essa é a força maior que conduz os destinos dos humanos, e não a razão ou a ética.
E para satisfazer esse desejo os humanos trapaceiam de todas as formas possíveis e inimagináveis, e matam quando for necessário.

Os humanos para piorar a situação tem uma outra força, também grande, que o restante dos animais não tem - o medo da morte.
A aquisição da consciência deu de presente para os humanos, conforme Sartre esclareceu, a angústia de viver e saber que vai morrer.
A certeza da morte em contrapartida ao desejo de não morrer, para piorar ainda mais as coisas, deu origem a variadas formas ilusórias de "vida eterna".
As religiões foram/são o mecanismo encontrado pelos humanos para almejarem a possibilidade de terem "vida eterna".

Essa ilusão no mundo atual virou neurose e se manifesta de diversas formas, desde a "nobre tarefa" de "proteção dos animais", passando pela "purificação" do vegetarianismo até a heróica tarefa de "salvar o planeta", o desejo escondido nas profundezas do subconsciente destas pessoas é a "sublimação da alma", a prática de "ações mais elevadas", com isso, também a nível do subconsciente, tais pessoas almejam o prêmio da "vida eterna" por "serem bons e elevados".

Então, em virtude destas duas forças, por exemplo, um grupo numeroso de humanos em um transatlântico turístico de luxo viajando pelo Mediterrâneo, se relacionam na mais perfeita harmonia pensando apenas em se divertir, porém.... se o navio bate em uma pedra e começa a afundar, as gentis pessoas do navio se transformam em bestas que atropelam e pisoteiam até crianças e grávidas para chegarem primeiro aos botes salva-vidas...
Esta é a realidade humana.
É este o ser humano nos subterfúgios do subconsciente.

Em síntese, os humanos não são bons nem ruins, eles apenas estão vivendo sob as condições emocionais e de perigo eminente e constante que o bondoso deus impôs aos seus filhos, ou falando mais seriamente, que a natureza impôs aos seres vivos.

E como a sociedade humana é dependente da ação humana, ela está totalmente sujeita a essa violência inerente ao próprio Universo.
Desconsiderar este fato e supor que uma sociedade possa existir sem um instrumento possuidor de poder para conter essa violência é uma utopia, uma ilusão.


Vamos agora comentar trechos da ideologia de Friedman.

"o Estado desapareceria após ter cumprido suas tarefas de estruturação física para o funcionamento completo do mercado, entendido não somente como troca de mercadorias, mas também como relação de comunicação entre os homens e como modo imediato de acesso à política."

Anarquistas atuais estão colocando intenções em textos de liberais que eles não tiveram...

Mas, como, de que forma, seguindo qual método, o estado desaparecerá ?
Quais são as premissas empíricas que conduzirão esse processo ?
Elas foram testadas cientificamente ?
Como isso pode existir se a mente humana não é dominada pela razão, mas sim, pela emoção, pela ânsia por sobreviver e pelo desejo sexual ?
A economia, o mercado, é apenas um meio.
Os humanos não fazem comércio porque gostam de comerciar!
Os humanos o fazem para obterem dinheiro para com ele satisfazer os desejos fundamentais de sobrevivência e sexo.
Jamais, em situações críticas, o mercado determinará a relação social entre humanos.

"onde as decisões são tomadas somente para adequarem às demandas do mercado."

Isso é extrema utopia.
Isso existe apenas na cabeça daqueles que não possuem o menor bom senso, daqueles que não possuem a menor noção da realidade humana.
Um chefe de governo não toma decisões em função do mercado, ele toma decisões em função dos seus desejos pessoais.
Cesar e Marco Antonio não tomaram decisões em função do comércio com o Egito, tomaram decisões em função da beleza e do sexo que Cleopatra lhes proporcionava.
Clinton sentado na cadeira de presidente da maior nação do mundo pensava na sua estagiária, e Kennedy também tinha o sexo como seu maior motivador, e assim é com todos, poderosos e não poderosos.

"pois assim que o anarco-capitalismo estiver universalizado não haverá mais nações, nem controle de imigrações."

Esta é outra utopia estúpida.
Marx disse que os "proletários" não tinham pátria e que eles iriam se unir contra os "burgueses", os estúpidos seguidores de Marx em vista dessas palavras proféticas esperavam que na Primeira Guerra Mundial quando os proletários estivessem com as armas nas mãos se rebelassem e se unissem contra suas respectivas nações.
É claro que isso não aconteceu e jamais acontecerá, o amor a terra em que nasceu e a nação a que pertence é algo muito forte no ser humano.
Os japoneses jamais deixarão de ser japoneses, idem para qualquer outro povo.

"As próprias leis seriam vendidas no mercado através das agências de proteção (que fariam a segurança interna, prevenindo os crimes e protegendo os cidadãos) e os tribunais privados julgariam as divergências entre empresas e o conflito entre os cidadãos."

Como alguém poderá se prevenir do estupro de uma filha por um tarado qualquer ?
Todos teriam de comprar essa lei ?
Uma vez que todos estão sujeitos a passar por essa fatalidade.
Os tribunais privados, em sendo privados, almejariam lucro... como seria a harmonização desse desejo primordial de uma empresa privada com a justiça ?

"Os cidadãos só comprariam as leis que julgariam indispensáveis para sua vida, por isso, a tendência para uma sociedade libertária seria muito grande."

Os cidadãos também precisariam comprar uma bola de cristal para prever o futuro.
O estupro de uma filha é algo que se pensaria "essencial" ?
Acho que não...
Ninguém em sã consciência vai comprar uma lei supondo que a filha vai ser estuprada.
Mas, isso é uma possibilidade.

"sobretudo por não levar em conta a antiética dos empresários envolvidos no mercado de leis e seus consumidores (mais ricos ou astutos)."

Exatamente!
Eu só faria uma correção, não são apenas os empresários que não tem ética, todos via de regra não tem, é por isso que existe a corrupção ativa e passiva.

"O autor ainda reitera que uma empresa inescrupulosa seria naturalmente rejeitada pelos consumidores, indo à falência."

O autor é muito inocente.
Empresas inexcrupulosas podem também serem competentes e muito aceitas pelos consumidores.
Os jogadores do melhor time do mundo não são virtuosos, eles praticam toda sorte artimanhas inexcrupolosas para ganharem as partidas e obterem o aplauso dos consumidores.

"Por isso, discorda do desarmamento da população, neste caso, é preciso que os cidadãos tenham armas e queiram usá-las."

Mais uma demonstração de total ausência da realidade empírica!
Os cidadãos precisaram ter metralhadoras e tanques em casa e mesmo assim jamais conseguiriam derrotar um exército.
Alem de que, e mais importante, o próprio autor demonstra não ter confiança nessa sociedade anarco-capitalista e desconfia das próprias instituições que quer instituir e acredita no último recurso das armas.
Uma enorme contradição!

"Os acordos de cooperação são espontâneos, decididos entre dois ou mais indivíduos através de um contrato acordado."

E quem irá garantir o cumprimento desse contrato ?
Uma empresa ?
E se essa empresa fizer um acordo financeiro com uma das partes ?

"Com o amadurecimento, um dia, um libertário legítimo ficará à frente das decisões políticas e os cidadãos-comuns estarão frente a frente com o homem que venderá o mundo; assim, como na canção de David Bowie (vídeo abaixo)."

E para terminar a suprema ilusão de que um ser superior, tal qual a esperança da vinda do Messias, nascerá na Terra e trará para a humanidade o reino da felicidade tão sonhado pelos humanos.

                                   ***